Xangô foi o orixá regente de 2018. O que aprendemos com ele?

O ano de 2018 chegou ao fim. Foram sem dúvida doze meses turbulentos e marcados por grandes revelações. Máscaras que caíram, sujeira escondida debaixo dos tapetes vindo a tona, pessoas recebendo punições enquanto outras eram exaltadas. Xangô – o orixá regente deste ano – distribuiu as sentenças.

Para quem plantou e trabalhou bastante, ele trouxe a abertura dos caminhos profissionais e o crescimento nos negócios. Enquanto quem semeou o mal e prejudicou seus semelhantes recebeu a lei do retorno pelo aquilo que fez.

Quem é Xangô?

Ele é um Orixá, ou seja, uma divindade que controla as forças da natureza. Conhecido por dominar os raios, os trovões, as rochas e a justiça – protegendo seus filhos e punindo aqueles que são injustos -, ele é um dos mais conhecidos e cultuados no Brasil. Sua figura é representada segurando um machado de duas faces.

Jovem, ágil, forte, sensual, atrevido, cheio de entusiasmo, ele gosta de dançar e sua síntese é o poder, pois é um rei absoluto e imbatível. Sua saudação é o KawóKabiesilé! (venha saudar o Rei ou Permita vê lo, Majestade). Seus filhos usam suas cores: vermelho e branco (Candomblé) e marrom (Umbanda). Seu elemento natural é o fogo. E toda quarta-feira é seu dia. Recebe oferendas em montanhas e pedreiras, principalmente, velas, charutos, cravos brancos e vermelhos, caruru (quiabo), bacalhau com quiabo, fruta do conde e cerveja preta.

Quais seus valores?

Este Orixá protege aqueles que seguem a lei, os costumes, a ética e espalham energia positiva por onde passam. Os que não fazem isso sentem o peso da cobrança para que possam se redimir e corrigir e assim obter o crescimento espiritual. Ele é imparcial em seus julgamentos, dos quais ninguém escapa.

Ele favorece a expansão do conhecimento, a cura de doenças e o desenvolvimento intelectual. Por isso, os livros e o estudo do Direito são associados a ele. As questões políticas também são associadas ao Orixá Xangô.

 A lenda

Xangô foi o quarto alafim de Òyó – cidade mais importante da Nigéria – destronando o meio-irmão Dadá-Ajaká por meio de um golpe militar. Conta-se, por meio da tradição oral, que por causa da personalidade paciente e tolerante do então rei, Xangô, com o apoio do povo, destronou o irmão.

Sem aceitar contestação, expondo seus méritos e seu poder, inspirou credibilidade, tomou sábias decisões, demonstrou a sua capacidade de comando e pôs em prática seu senso de justiça. Tornou-se o líder mais amado e reconhecido pelo povo.

Conta-se ainda que ele era um amante irresistível e foi disputado por três mulheres. Sua primeira esposa foi Iansã. A segunda, mais amada, foi Oxum. E a terceira – que o amou, sacrificou-se por ele e não foi amada – foi Oba.

Como é o seu culto no Brasil?

Xangô é muito cultuado no nordeste brasileiro. Os filhos-de-santo dos estados de Pernambuco e Bahia fazem parte dos terreiros mais antigos do país. A Casa Branca do Engenho Velho, por exemplo, foi a primeira casa de Candomblé da Bahia.

Vale lembrar que o Brasil é um país de sincretismo religioso. Pois, os descendentes de africanos, trazidos para cá como escravos, não podiam cultuar seus Orixás, não eram livres para seguir a própria religião. Então, escolhiam santos católicos, com características parecidas com suas divindades, para cultuar.

Foi assim, que Xangô tornou-se São João Batista e São Pedro, santos de origem da religião Católica, sendo cultuado no mês de junho, nos dias 24 e 29.

Na Umbanda, ele é representado por São Jerônimo – conhecido como o santo das letras, uma vez que a pedido do Papa Dâmaso traduziu o Antigo e o Novo Testamentos da Bíblia para o latim. É cultuado em setembro.

Características dos filhos de Xangô

Filhos de Xangô em geral possuem estrutura física forte, com tendência ao acúmulo de gordura, à obesidade. Há também magros elegantes.

Com muita energia e auto-estima elevada, eles têm consciência da sua importância, conhecimento e poder. Com postura nobre, estão sempre acompanhados, mas a solidão é um de seus estigmas. São amantes vigorosos. Estão sempre rodeados por amigos, em geral homens.

Apesar de serem egoístas, são incapazes de ser injustos com as pessoas. São extremamente austeros. Muito vaidosos, detém o poder e o conhecimento intelectual. Obstinados, estrategistas, inesquecíveis.

Ambiciosos, querem sucesso, reconhecimento e fortuna. São inflexíveis e autoritários ao mesmo tempo em que são bondosos, misericordiosos e generosos. Estes são os verdadeiros filhos de Xangô.

KaôKabecilê

Salve, Salve Pai Xangô