outubro 6, 2021

Santa Ana: a avó de Jesus.

Quem foi Santa Ana?

Santa Ana (ou Sant’Ana) e São Joaquim foram os pais da Virgem Maria. Os dois não tinham filhos e eram um casal mais velho, que morava perto de Jerusalém.

culto de Santa Ana

Um dia, enquanto Joaquim estava trabalhando no campo, um anjo apareceu a ele para anunciar o nascimento de um filho e Santa Ana também teve a mesma visão.

Nasce uma menina e eles a chamam de Maria, nome que significa “amada por Deus”.

Joaquim leva seus presentes para o templo em agradecimento: junto com a criança, dez cordeiros, doze bezerros e cem cabritos imaculados. Mais tarde, Maria é levada ao templo para ser educada de acordo com a lei de Moisés.

Santa Ana é invocada como protetora das mulheres grávidas, que a ela recorrem para obter três grandes favores de Deus: um nascimento feliz, uma criança saudável e leite suficiente para criá-la.

Ela é a padroeira das avós e de muitos ofícios relacionados às suas funções, incluindo lavadeiras e bordadeiras.

Características de Santa Ana

Significado do nome: Ana = graça, “a benéfica” (do hebraico)

Símbolo: Livro

Padroeira: das avós e das mulheres que enfrentam dificuldades para engravidar. Das lavadeiras e bordadeiras, entre outras profissões.

O culto de Santa Ana

Apesar de haver poucos dados históricos sobre Santa Ana, as informações a seu respeito além disso não vindo de textos oficiais e canônicos, seu culto é extremamente difundido tanto no Oriente como no Ocidente.

Quase todas as cidades têm uma igreja dedicada a ela e a mãe de Nossa Senhora é padroeira de todas as avós.

Já que carregava dentro de si a esperança do mundo, o seu manto é verde (cor da esperança).

Na Bretanha, onde lhe são muito devotos, é invocada para a colheita do feno.

Desde que guardou Maria como uma joia em um caixão, Santa Ana é também a padroeira de ourives e cooperadores; protege mineiros, marceneiros, carpinteiros, marceneiros e tanoeiros.

Por ter ensinado a Virgem a limpar a casa, a costurar e a tecer, ela é a padroeira dos fabricantes de vassouras, dos tecelões, dos alfaiates e dos costureiros.

Santa Ana

É padroeira também das viúvas e, é claro, das parturientes. É invocada nos partos difíceis e contra a esterilidade conjugal.

O nome de Santa Ana deriva do hebraico Hannah (“graça”) e não é mencionado nos Evangelhos canônicos (os quatro que estão na Bíblia: João, Mateus, Lucas e Marcos).

Por outro lado, os evangelhos apócrifos da Natividade e da Infância a mencionam, o mais antigo dos quais é o chamado “Protoevangelho de São Tiago”, escrito o mais tardar em meados do século II.

Embora esses escritos não tenham sido formalmente aceitos, eles acabaram influenciando a devoção e a liturgia, porque algumas notícias relatadas são consideradas autênticas mesmo pela Igreja Católica e em harmonia com a tradição.

Nesses evangelhos apócrifos, após Maria completar três anos, Joaquim não aparece mais nos textos, ao passo que Santa Ana ainda é mencionada.

Segundo esses textos, ela teria vivido até os oitenta anos. Além disso, é dito que Santa Ana ficou viúva e se casou mais duas vezes, tendo dois filhos cuja descendência é considerada, especialmente nos países de língua alemã, como o “Santo Parentesco” de Jesus.

A representação de Santa Ana

Artistas de todos os tempos retrataram Santa Ana quase sempre em grupo, como por exemplo a família com Ana, Joaquim e a pequena Maria.

Ou então é mostrada sentada em uma cadeira alta, como uma antiga matriarca, com Maria quando criança ao lado dela.

Ou ainda aparece na pose “trinitária”, isto é, com Nossa Senhora e com o Menino Jesus, para indicar as três gerações presentes.

Santa Ana na Umbanda

Na Umbanda, o sincretismo de Santa Ana se dá com a orixá Nanã, que é conhecida como a “Senhora dos Mistérios” e representa a mais antiga força natural feminina em toda a Criação.

Da energia de Nanã se origina toda a vida. Ela é a Deusa para qual retorna a energia de uma pessoa ao término de sua existência na Terra e junta em si dois elementos: água e terra. Afinal, da lama, do barro, como na história de Adão e Eva, surge a vida humana.

A orixá da profundidade das águas, sejam elas do mar ou dos lagos, é Nanã Buruquê, que resume em si a prosperidade, a fertilidade e também a velhice e a morte.

A força de Nanã costuma ser empregada na solução de dificuldades espirituais. Ela liberta as pessoas de obsessores e larvas.

Foi sincretizada com Santa Ana por ser a orixá que rege a velhice, estando portanto ligada às avós.

Oração a Santa Ana

Oração a Santa Ana

Senhora Santa Ana, fostes chamada por Deus a colaborar na salvação do mundo. Seguindo os caminhos da Providência Divina, recebeste São Joaquim por Esposo.

Deste vosso matrimônio, vivido em santidade, nasceu Maria Santíssima, que seria a Mãe de Jesus Cristo.

Formando Vós família tão santa, confiantes nós vos pedimos por esta nossa família. Alcançai-nos a todos as graças de Deus!

Aos pais deste lar, que vivam na santidade do matrimônio e formem seus filhos segundo o Evangelho.

Aos filhos desta casa, que cresçam em sabedoria, graça e santidade e encontrem a vocação a que Deus os chamou.

E a todos nós, pais e filhos, alcançai-nos a alegria de viver fielmente na Igreja de Cristo, guiados sempre pelo Espírito Santo, para que um dia, após as alegrias e sofrimentos desta vida, mereçamos também nós chegar à casa do Pai, onde vos possamos encontrar, para junto sermos eternamente felizes, em Cristo, pelo Espírito Santo.

Amém.

Simpatia de Santa Ana contra energias negativas

Você vai em primeiro lugar separar um copo cheio de azeite de oliva e descascar nove dentes de alho. Ore para Santa Ana e escreva em um papel, com uma caneta, os problemas e negatividades que estão te prejudicando.

Na sequência, o papel deve ser mergulhado no azeite junto com os alhos.

Faça mais uma oração, com a mão sobre o copo, e largue ali os ingredientes por trinta e seis dias, nem mais nem menos.

Quando chegar o dia de número 37, a inveja, as negatividades e outras coisas ruins que podem estar te prejudicando já terão sido dissipadas.

Descarte tudo no lixo, mas sem quebrar o copo.

Dê início a este ritual de preferência em uma sexta.

Gostou do artigo? Conhecia a história de Santa Ana? Deixe aqui seu comentário!



Marcello Salvaggio
logotipo amazon

Marcello Salvaggio


Sou escritor e pesquisador nas áreas da religião, da literatura, do misticismo e da história.
Considero a espiritualidade a chave fundamental para o entendimento de nossas vidas, para encontrarmos o verdadeiro sentido de nossa existência, e todo meu trabalho é orientado nesse sentido.
Tenho livros publicados no Brasil e na Itália e sou formado em Letras pela USP e auricoloterapia pelo instituto EOMA, escola especializada em acupuntura e em outros ramos da medicina tradicional chinesa.
No campo da terapia e do aconselhamento, considero essenciais a empatia e o respeito ao livre-arbítrio alheio.

Já consultou nossos Tarólogos?

A partir de R$ 9,90


Faça sua consulta online agora mesmo!


Consultores VidaTarot

Coloque um ponto final nas suas dúvidas sobre Amor, Dinheiro, Emprego etc.


Veja também...

outubro 18, 2021

outubro 15, 2021

outubro 11, 2021

>