março 11, 2021

Pachamama, a deusa da Fertilidade.

Quem é Pachamama?

Pachamama: Pacha Mama ou Pachamama (Mãe Natureza) é a deusa reverenciada pelos povos indígenas dos Andes.

Pachamama

Na mitologia inca, Pachamama é a deusa da fertilidade que preside a semeadura e colheita, personificando as montanhas e causando terremotos. É uma divindade andina para a qual as oferendas são feitas em cerimônias agrícolas e com animais.

Está associada ao feminino e ao espírito da Terra. É o núcleo do sistema de crenças da ação ecológico-social entre os povos indígenas andinos.

Diferentes povos como quechuas, aimarás, mapuches, nasa e outros na Argentina, Bolívia, Chile, Colômbia, Equador e Peru desenvolvem e realizam rituais ligados a esta divindade.

Como é a Pachamama?

A divindade Pachamama (Mãe Terra) representa a Terra, mas não apenas o solo ou a terra como planeta, nem apenas a natureza; é todas essas coisas conectadas entre si.

Como é a Pachamama?

Não está localizada em um lugar, mas está concentrada em nascentes e fontes. É uma divindade imediata e diária, com a qual se pode interagir por meio de preces ou de um diálogo espiritual, seja pedindo sustento, desculpando-se por alguma falta cometida contra a terra ou agradecendo por tudo o que ela nos proporciona.

Ele não é uma divindade criativa, mas um protetor e provedor; protege os seres humanos, torna a vida possível e promove a fecundidade e a fertilidade.

Em troca dessa ajuda e proteção, o praticante ligado a ela oferece á divindade parte do que recebe, não só em horários e lugares predeterminados ritualmente, mas, em todos os eventos culturais e espirituais significativos ligados a Pachamama, configurando assim um relacionamento de reciprocidade.

A Pachamama também possui uma face negativa: tem fome frequente e, se não é agradada com oferendas ou se ofende, pode causar doenças e outros problemas ao seu devoto.

História do culto de Pachamama

Os quéchuas, os aimarás e outros povos da região andina fazem oferendas em sua homenagem desde tempos muito antigos, sacrificando lhamas (seu feto considerado a oferenda animal mais preciosa) e outros animais.

Entre os objetos, são oferecidas folhas de coca e conchas marinhas.

A crença está centrada em fertilizar a terra para nunca perder a colheita.

Esse tipo de oferenda costuma ser denominada de corpachada ao centro-sul dos Andes.

A Pachamama e as divindades Mallku e Amaru são a grande trindade divina dos aimarás e determinam sua percepção da natureza e da sociedade. Seus cultos são as mais antigas formas de celebração que os aimarás realizam.

Após a conquista espanhola e a chegada do catolicismo, a figura da Virgem Maria foi associada à da Pachamama por muitas das comunidades indígenas.

Ainda assim, com toda a influência do cristianismo e de outras religiões que foram chegando à região, o sistema de crenças e rituais relacionados à Pachamama foi preservado, praticado pelas comunidades quechua e aimará e por outras etnias que receberam a influência destas duas culturas nas áreas andinas de Bolívia, Equador e Peru, no norte do Chile e no norte da Argentina.

Através de migrantes, se tornou conhecido em outros lugares e se expandiu por inúmeras cidades e grandes metrópoles modernas como Buenos Aires, chegando assim também ao Brasil.

A cerimônia da Pachamama

A cerimônia que muitos conhecem é um ritual para a Pachamama que pode ser definido como uma festa da Mãe Terra.

A cerimônia da Pachamama

Na Bolívia é chamada de Challa ou pagamento, o que implica um ato de reciprocidade, de fazer oferendas à Pachamama para receber.

Embora o primeiro dia de agosto tenha se popularizado como o dia principal de sua atuação, na verdade é praticado durante todo o mês e, em muitos lugares, também na primeira sexta-feira de cada mês.

A cerimônia fica a cargo de pessoas idosas ou de maior autoridade moral dentro de cada comunidade.

Pode englobar uma complexa série de etapas rituais que se iniciam nas casas das famílias na noite anterior à cerimônia. É cozinhada uma refeição especial, que antecede o ritual principal da Pachamama.

O ritual em si engloba uma série de oferendas que incluem comida, bebida, folhas de coca e cigarros. Um aspecto importante é o de agradecimento, devolvendo à mãe terra o alimento que ela proporciona.

Pode ser cavada uma vala, um buraco enorme, onde todos os participantes do ritual colocam os alimentos: todos pratos preparados de maneira especial.

Cada participante coloca uma porção de comida no buraco, agradecendo à mãe terra. Por fim, o buraco é totalmente coberto e cada participante coloca uma pedra nele. Um monte de pedras chamado Apachete é formado.

Normalmente, para este rito, o local mais alto é sempre escolhido para garantir que se esteja o mais próximo possível do Sol (a dividade Inti).

É costume difundido na Argentina e em outros países vizinhos celebrar o 1º de agosto com uma cerimônia que consiste em beber pequenos goles de carrulim (bebida da tradicional da região0 com o estômago vazio, com o objetivo de purificar o sangue e atrair a sorte.

Há um sacerdote?

O culto em tempos mais antigos era presidido por um sacerdote chamado Amauta. Hoje em dia, essa figura não existe mais e o termo Amauta caiu em desuso.

No culto moderno da Pachamama, o Amauta é substituído por um Paqo (sábio) que ensina e comunica espiritualidade às novas gerações.

A passagem da herança espiritual do Paqo se dá de três maneiras:

1. Transmissão oral de mestre para discípulo,

2. Transmissão de conhecimentos da medicina tradicional.

3. O futuro Paqo (escolhido graças aos fenômenos naturais) entra em contato por meio de uma irmandade espiritual, chamada Qhapaqkanga.

Mesclas religiosas que envolvem a Pachamama

A religião centrada na Pachamama costuma ser praticada paralelamente ao cristianismo, a ponto de muitas famílias serem cristãs e pachamamistas.

Na Bolívia, a Pachamama é identificada com a Virgem de Copacabana em La Paz e com a Virgem de Urkupiña em Cochabamba.

Em Puno, no Peru, a Pachamama é identificada com a Virgem da Candelária.

A Pachamama pode ter alguma aplicação em minha vida?

As divindades andinas estão ligadas a aspectos bem específicos da cultura desses povos.

Se for praticar algo ligado à Pachamama, convém você antes se informar, para saber a fundo sobre as características, necessidades e conceitos que se ligam a esta entidade.

Se tem muito interesse, pode participar de um ritual ligado à Pachamama conduzido por praticantes sérios. O importante é sempre seguir uma abordagem aprofundada e consciente, não superficial.

Gostou do artigo? Comente aqui e compartilhe em suas redes sociais.



Dúvidas no Amor?

Dinheiro?

Emprego?


Nossos Tarólogos Online respondem tudo!


A partir de R$ 9,90

Consultores VidaTarot

Coloque um ponto final nas suas dúvidas agora mesmo!


Veja também...

junho 10, 2021

março 18, 2021

dezembro 11, 2020

>