Mediunidade: o elo entre os encarnados e os desencarnados

Desde que estourou na mídia o escândalo envolvendo o médium João de Deus, a sociedade vem debatendo sobre o assunto. Antes de iniciar este artigo precisamos lembrar que todos os seres humanos são falhos. Estamos todos aqui para evoluir espiritualmente. Caso venha a ser comprovado os abusos dos quais ele é acusado, em nada sua conduta tem relação com a mediunidade, cujo dom foi dado a ele nesta vida para a prática do bem.

O fundador da doutrina espírita, Allan Kardec (1804-1869), foi o primeiro a perceber a existência de pessoas que eram médium, ou seja, recebem a influência de espíritos e podem ser utilizada por eles como meio de comunicação.

Com o passar dos anos, já com a doutrina estruturada e a religião espírita difundida pelo mundo, surgiu no Brasil um dos mais conhecidos médiuns da história: Chico Xavier.

O que é mediunidade?

É um dom concedido a algumas almas que vem a Terra com a missão de fazer a ponte entre os seres humanos vivos e os seres humanos desencarnados. Ela ocorre por meio de incorporações espirituais nas quais o médium cede seu corpo por algum tempo para que os desencarnados o utilize para falar com os vivos.

Essa condição divina desafia a ciência. João de Deus, por exemplo, faz cirurgias e curas espirituais na cidade de Abadiana há muitas décadas. Muitas pessoas, cujo os casos estavam perdidos segundo a ciência, conseguiram um milagre com a ajuda deste médium.

O ceticismo e a zombaria atrapalham bastante a forma como esta temática é debatida em sociedade. Muitas religiões Cristãs (vale lembrar que o Espiritismo é uma doutrina Cristã) apontam essas manifestações espirituais como satânicas e condenam a prática.

Mas, quem nasce com este dom tem responsabilidades espirituais e humanísticas maiores que as outras pessoas. Tem a obrigação de amar e respeitar ao próximo e de sempre consolar e ajuda os necessitados.

Além disso, deve ser exemplo para que a moral humana seja aperfeiçoada. Eles, assim como nós, estão sujeitos à lei do karma, ou seja, que iremos colher os frutos de tudo que plantamos – seja positivo ou negativo – ainda nesta vida.

O que acontece durante a sessão?

A incorporação ocorre em um local apropriado, como um Centro Espírita, e é feita de forma suave e harmônica. Dificilmente ocorre em locais impróprios, com energia negativa ou sem ser solicitada, como em um cemitério ou no meio da rua, por exemplo.

Feito o contato, o médium transcreve em um pedaço de papel a mensagem que o espírito desencarnado quer passar para quem está a procura dele. Ou então conversa com os presentes na sessão ou dá sinais energéticos para perguntas realizadas. Como, por exemplo, sinais sonoros ou mover objetos.

Ao término, o médium precisa refazer o seu ectoplasma (substância semi-espiritual) com a ingestão de proteínas. No Brasil as sessões são feitas de forma caridosa, já em outros países, como a Inglaterra, elas são cobradas.

Como identificar se você tem o dom?

A mediunidade possui vários estágios e precisa ser trabalhada. No entanto existem vários indícios de que a pessoa possui este dom. Listamos os principais sinais de alguém é médium abaixo:

  1. Não se sente bem em espaços com muitas pessoas e boceja muito nesta situação.
  2. Possui o interesse de trabalhar com algo que contribua com a coletividade, que deixe um legado social e não somente para acumular riquezas.
  3. Tem intuição apurada.
  4. Possui empatia e capacidade perdoar todas as pessoas, até mesmo quando elas erram feio. Sente-se afetado pelos problemas das demais pessoas e pelas questões sociais em geral.
  5. Seus sonhos trazem mensagens ou fatos que acontecem no mundo real.
  6. Pessoas – inclusive desconhecidos – lhe contam facilmente sobre a vida e os problemas íntimos delas.
  7. Está em constante busca por autoconhecimento.
  8. Ouve sons ou sente aromas que não estão no ambiente de forma física.
  9. Tem aversão a futilidade.
  10. Muda repentinamente e constantemente de ambiente e de convívio com pessoas, pois sente-se como uma esponja absorvendo toda negatividade presente no local ou nas pessoas.
  11. Sentir ou enxergar a presença energética daquilo que não é visto.
  12. Possui fobias, bloqueios e autoestima baixa.
  13. Ao frequentar locais pela primeira vez tem sensação de que já esteve ali, ou que conhecia aquelas pessoas ou ainda possui conhecimento intelectual sobre assuntos que nunca estudou.

Vale lembrar ainda as nomenclaturas apropriadas para cada estágio do desenvolvimento. O médium é quem faz o elo entre os espíritos encarnados e desencarnados. O clarividente, vê o plano espiritual. E o vidente ou intuitivo, sente os acontecimentos ou os prevê sem muita clareza.