agosto 19, 2021

Malkuth: a 10º Sephirah da Árvore da Vida Cabalística.

Palavras-chave:

* Sephirot

* Cabala

* Hermetismo

* Judaísmo

* Árvore da Vida

* Cristianismo

* Yoga

A Sephirah Malkuth

Malkuth, Malchut ou Malchus é a décima Sephirah da Árvore da Vida Cabalística. Fica no ponto mais baixo da árvore, abaixo de Yesod. Esta Sephirah tem como símbolo a Noiva que se relaciona com a esfera de Tipheret, simbolizada pelo Noivo.

Diferente das outras nove Sephirot, é um atributo de Deus que não emana de Deus diretamente. Pelo contrário, emana da criação de Deus, quando essa criação reflete e evidencia a glória de Deus dentro dela mesma.

A palavra pode ser traduzida ou identificada como Reino, e também como comunicação positiva, realeza, dinastia real ou humildade.

Malchut, o mundo material e as Qliphot

Malkuth, como Reino, está associada ao reino da matéria / terra e se relaciona com o mundo físico, os planetas e o sistema solar.

É importante não pensar nesta Sephirah como “não espiritual”. Embora “o Reino” seja a emanação “mais distante” da Fonte Divina, ela ainda está na Árvore da Vida, emana indiretamente de Deus e, portanto, possui suas próprias qualidades espirituais.

Costuma-se dizer que Kether (a Sephira mais elevada) está em Malchuth e Malchuth está em Kether. Ou seja, “acima como embaixo.”

Malchuth é a esfera receptora de todas as outras Sephiroth, Malchut dá forma tangível às outras emanações. A energia Divina desce e encontra sua expressão neste plano. Nosso objetivo como seres humanos é trazer essa energia, que tende a ficar estagnada, de volta ao circuito novamente; e então nós a fazemos ascender para o topo da Árvore.

Alguns ocultistas também compararam Malchut a um filtro cósmico, pois está acima do mundo das Qliphoth, ou da Árvore da Morte. As Qliphoth, representando o mundo do caos, são uma Árvore da Vida às avessas, construída a partir do desequilíbrio das Sephirot originais na Árvore da Vida.

Por esse motivo, “o Reino” está associado aos pés e ânus do corpo humano, os pés conectando o corpo à Terra e o ânus sendo o filtro do corpo através do qual os resíduos são excretados, assim como Malchuth excreta a energia desequilibrada no Qliphoth.

Outra maneira de entender isso é que, quando se está sentado, como em um estado meditativo, é o ânus que faz contato físico com a Terra, enquanto que quando se está em pé ou andando, são os pés que entram em contato com a Terra.

Esta esfera também está associada ao mundo de Assiah, ao plano material, ao mais denso dos quatro mundos da Cabala.

Malkuth e o Tarot

Por causa de sua relação com Assiah, Malchuth também está ligada ao naipe de Ouros ou Moedas do Tarot. Por meio de Assiah, Malchuth também está relacionada às quatro cartas dos Valetes ou Pajens no Tarot.

Há também uma conexão entre a Sephirah do Reino e a décima carta de cada naipe no Tarot, pois Malkuth é a décima entre as Sephiroth.

No moderno conjunto de cartas de baralho, Malkuth está relacionado à riqueza material simbólica do naipe de diamantes ou aos tesouros encontrados no mundo físico.

A associação de Malkuth com as cartas do Tarô é refletida no baralho moderno como os Valetes do baralho.

Como Malkuth está diretamente associado a Assiah, ele também representa o segundo He (ה) no Tetragrammaton (יהוה) e está associado ao elemento clássico da Terra.

Símbolos e significados de Malkuth

Os nomes de Deus associados a esta esfera são Adonai Melekh e Adonai ha-Arets.

O Arcanjo desta esfera é Sandalphon. Os Ishim (Almas do Fogo) são a ordem angélica associada a Malchuth, e a correspondência planetária / astrológica de Malkuth é a Terra.

A Qliphah correspondente ao Reino é representada pela ordem demoníaca Nehemoth, governada pelo arquidemônio Naamah.

Os símbolos associados a essa esfera são uma Noiva (uma jovem em um trono com um véu sobre o rosto) e um altar duplamente cúbico.

Onde Binah é conhecida como a Mãe Superior, Malkuth é referida como a Mãe Inferior. Também é conhecida como a Noiva de Microprosopos, enquanto Macroprosopos é Kether. [5]

Em alguns sistemas, o Reino é equiparado a Da’at, a Sephirah invisível, que é “conhecimento” no sentido de Gnose e também ao mesmo tempo um portal para as Qliphot.

Malkuth: a 10º Sephirah da Árvore da Vida Cabalística.

Malkuth do ponto de vista cristão

Do ponto de vista cristão, esta esfera é muito importante, pois Jesus pregou que as pessoas deveriam “buscar primeiro o Reino de Deus”.

A partir do Reino de Deus, tudo é dado ao homem. De nada adianta buscar desejos e realizações que não aproximam o ser humano de Deus, que pode ter tudo caso se dedique com devoção.

Mesmo que a princípio tudo possa parecer perdido, se o homem buscar Deus ele conseguirá o que almeja.

Isso está no livro de Jó: Jó perde tudo, atacado pelo diabo e testado por Deus; mas ao fim recupera tudo, e ainda obtém mais, graças à sua fidelidade ao Pai.

Portanto, a meta verdadeira da espiritualidade é trazer o que está no alto, no trono do Pai, ao Reino humano, para assim trazer o Reino de Deus. Que, por sua vez, acaba sendo como uma subida para os planos mais altos. Dessa forma, o acima e o abaixo acabam sendo a mesma coisa.

Malkuth no Yoga e no Tantra

Em comparação com os sistemas espiritualistas e filosóficos indianos, esta Sephirah representa uma ideia arquetípica muito semelhante à do chakra Muladhara.

No Shakta Tantra, também é associado à Terra. Este é o plano no qual o carma encontra sua expressão.

E assim como ocorre com Malchut e Kether, há uma correspondência entre o chakra básico e o coronário. A energia kundalini sobe de um para o outro.

E é dessa forma que Shiva (o princípio masculino) e Shakti (o princípio feminino) se encontram e se unem.

A natureza de Malkuth

Em resumo, embora esta seja vista como a Sephirah mais baixa na Árvore da Vida, ela também contém o potencial de alcançar o mais alto.

Isso é exemplificado na máxima hermética “Acima como abaixo”.

E também na frase “Kether está em Malkuth, e Malkuth está em Kether”, que já mencionamos, mas é algo que precisa ser salientado e repetido para que a compreensão plena fique enraizada no buscador.

Segundo o Rabino Nachman de Breslov, esta esfera representa a Lei Oral. E a Lei Oral é a fonte do espírito de todo ser vivo, como afirma o versículo: “Que a Terra produza criaturas vivas, cada uma de acordo com sua própria espécie.”

Malkuth: a 10º Sephirah da Árvore da Vida Cabalística.


Marcello Salvaggio
logotipo amazon

Marcello Salvaggio


Sou escritor e pesquisador nas áreas da religião, da literatura, do misticismo e da história.
Considero a espiritualidade a chave fundamental para o entendimento de nossas vidas, para encontrarmos o verdadeiro sentido de nossa existência, e todo meu trabalho é orientado nesse sentido.
Tenho livros publicados no Brasil e na Itália e sou formado em Letras pela USP e auricoloterapia pelo instituto EOMA, escola especializada em acupuntura e em outros ramos da medicina tradicional chinesa.
No campo da terapia e do aconselhamento, considero essenciais a empatia e o respeito ao livre-arbítrio alheio.

Dúvidas no Amor?


Nossos Tarólogos Online respondem tudo!


A partir de R$ 9,90

Consultores VidaTarot

Coloque um ponto final nas suas dúvidas agora mesmo!


Veja também...

outubro 14, 2021

outubro 7, 2021

outubro 4, 2021

>